sábado, 3 de fevereiro de 2018

ARTIGO E NUMERAL

ARTIGO

     É a palavra que se coloca antes do substantivo para determiná-lo de maneira geral (indefinida) ou particular (definida).
Artigos definidos: o, a, os, as
Artigos indefinidos: um, uma, uns, umas

PRINCIPAIS EMPREGOS DO ARTIGO

a)      O artigo substantiva qualquer palavra
     Toda palavra determinada por um artigo passa a funcionar como substantivo.
     Ex: Ouvia-se ao longe o cantar de um pássaro.
b)      Combinação de artigo com preposição
     Existem algumas preposições com as quais os artigos se combinam, formando um só vocábulo.  
     Ex: A população confiou nos projetos do governo.
nos = em (preposição) + os (artigo)

c)       Omissão do artigo definido

     Há casos em que o artigo definido não pode ser usado.
 1 – Antes de nomes de cidades e de pessoas conhecidas, famosas.
Ex: Nosso amigo visitou Goiânia.        /       Leonardo da Vinci foi grande inventor.
Obs: Se o nome da cidade ou da pessoa apresentar um caracterizador, a presença do artigo torna-se obrigatória.
Ex: Nosso amigo visitou a bela Goiânia.
      O genial Leonardo da Vinci foi um grande inventor. 
 
2 – Antes de pronomes de tratamento.
Ex: Vossa Excelência, senhor ministro, deveria apoiar o projeto.

3 – Na definição de conceitos.
Ex: Fábula é um tipo de narrativa que transmite um ensinamento moral e cujas personagens são, em geral, animais. 

4 – Após a palavra cujo (e suas variações).
Ex: Fábula é um tipo de narrativa cujas personagens são, em geral, animais.
d)      Emprego opcional do artigo

     Há dois casos em que o emprego do artigo é opcional:

 1 – Antes de nomes de pessoas.
Ex: A Cristina chegou hoje.   / Cristina chegou hoje.
      Conversei com o Paulo   /  Conversei com Paulo.

2 – Antes de pronomes possessivos (minha, nosso, seu etc.).
Ex: Você conhece a minha irmã.   /  Você conhece minha irmã.

NUMERAL

     É a palavra usada para expressar uma quantidade definida, exata, de seres, ou a posição que um ser ocupa numa determinada sequência.
     Dependendo de sua finalidade específica, um numeral classifica-se em:

a)      Cardinal – indica uma quantidade determinada, exata, de seres.
Ex: Apenas 330 em cada mil alunos completavam o estudo básico.
Obs: Alguns cardinais têm sentido coletivo. Ex: século, par, dúzia, década, semestre.
b)      Ordinal – indica a posição que alguém (ou alguma coisa) ocupa numa determinada sequência.
Ex: A taxa de repetência escolar no primeiro grau é altíssima.
c)       Multiplicativo – indica a multiplicação de uma quantidade.
Ex: O Brasil deveria investir, em educação, o triplo do que investe.
d)      Fracionário – indica uma divisão, a fração de uma quantidade.
Ex: Apenas um terço dos alunos conclui o estudo básico.

FLEXÃO DO NUMERAL

a)      Feminino e plural dos cardinais

     Admitem feminino somente os seguintes cardinais: um – uma, dois – duas e as centenas a partir de duzentos – duzentas.
Obs: Quando os numerais um, dois, duzentos, trezentos etc. antecedem as palavras como milhão, bilhão, devem ser obrigatoriamente empregados no masculino, porque tais palavras equivalem a substantivos masculinos.

b)      Feminino e plural dos ordinais, multiplicativos e fracionários

     Todos os numerais pertencentes a esses três tipos de numerais admitem flexão de gênero e de número.
Ex: terceiro ano – terceira série – terceiras séries
      salto triplo – aposta tripla – apostas  triplas
      meio quilo – meia tonelada – meias verdades

EMPREGO E LEITURA DOS NUMERAIS

a)      Numeração de soberanos, papas, séculos etc.
     Os numerais podem ser representados por dois tipos de algarismos: os arábicos (1, 2, 3, 4 etc.) e os romanos (I, II, III,IV etc.). Em referência a reis, papas, séculos, partes de uma obra etc., é comum o emprego dos algarismos romanos, cuja leitura se faz conforme segue:
1 – Se o numeral está depois do substantivo:
- lê-se em ordinais até décimo.
Ex: D. Pedro I (primeiro)
      Papa Paulo VI (sexto)
     Capítulo X (décimo)
- lê-se em cardinais de onze em diante.
Ex: Capítulo XI (onze)
       Século XVIII (dezoito)
Obs: No caso específico de numeração de artigos de leis, decretos, portarias etc., empregam-se ordinais até nono (ex: Artigo IX – nono) e cardinais de dez em diante (ex: Artigo X – dez).

2 – Se o numeral está antes do substantivo, empregam-se sempre os ordinais.
Ex: XVIII século (lê-se: décimo oitavo século)
      XV cena (lê-se: décima quinta cena)

3 – Os numerais como recurso expressivo
     É comum o emprego de numerais na construção de expressões de sentido intencionalmente exagerado. Tais exageros constituem uma figura de linguagem denominada hipérbole.
Ex: “Chorei bilhões de vezes” / “Queria gritar setecentas mil vezes”

4 – Emprego do e nos cardinais
     Quando se lê (ou se escreve por exemplo) um numeral cardinal, é necessário intercalar a palavra e entre as centenas, as dezenas e as unidades.
1459 (mil quatrocentos e cinquenta e nove)
Obs: Em dois casos, o e é obrigatório entre os milhares e as centenas:
a)      Se o algarismo das centenas for zero.
Ex: 1059 (mil e cinquenta e nove)
b)      Se a centena terminar em dois zeros.
Ex: 1400 (mil e quatrocentos)


Nenhum comentário:

Postar um comentário